psicanalise.png

PORTINARI, Candido: Guerra e Paz, 1952-56

XXII Encontro Nacional da
Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano - Brasil

04/11

Recepção de participantes

18h00 – Mesa de Abertura

19h00 – Ana Laura Prates

20h00 – Debate

21h00 - Coquetel de Recepção

05/11

08h30 – Espaço Escola

13h00 – Almoço

14h30 – Mesas de Trabalho

19h00 - Programação Cultural

21h00 - Festa 

06/11

08h30 – Mesas de Trabalho

10h45 – Plenária de Debates

13h00 - Encerramento

243991510_edited_edited_edited_edited.jp

Presencial

(250 vagas)

Local: HOTEL PESTANA CURITIBA

R. Com. Araújo, 499 - Centro

On-line
(vagas ilimitadas)

Transmissão gerenciada por empresa especializada via plataforma Zoom com participação via chat e viva-voz.
 

Investimento

Valores para profissionais:

R$250,00 (até 30/06)

R$300,00 (de 01/07 até 31/08)

R$350,00 (de 01/09 até 31/10)

Valores para estudantes:

R$125,00 (até 30/06)

R$150,00 (de 01/07 até 31/08)

R$175,00 (de 01/09 até 31/10)

Desistência e reembolso: Prazo final de solicitação: até 30 (trinta) dias antes do início do evento. Valor a ser reembolsado: 80% do valor pago mais taxas bancárias.

Processo de inscrição:

  • Leia atentamente as informações na página do evento

  • Efetue a transferência relativa à sua taxa de inscrição, conforme a modalidade de participação no Encontro.

    • Profissional

    • Estudante

  • No momento do preenchimento do formulário de inscrição, localize em seu computador/celular os seguintes arquivos:

    • Profissional: comprovante de transferência/PIX

    • Estudante: comprovante de transferência/PIX e documento de comprovação estudantil (declaração de matrícula, boleto de pagamento ou carteira de estudante)

Dados para depósito ou PIX:

Banco Itaú

Agência: 3239

C/c: 24933-1

CNPJ: 03.526.375/0001-88 (PIX)

 

Comissão Científica

XXII Encontro Nacional da EPFCL-Brasil
As paixões do ser: amor, ódio, ignorância

Podemos interrogar o amor, o ódio e a ignorância, a partir da disjunção formalizada por Lacan em O Seminário, livro XI, Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, do ser com o sentido, para avançarmos sobre o tema deste nosso XXII Encontro Nacional da Escola de Psicanálise dos Fóruns Lacanianos – Brasil, ou seja, o das paixões do ser. Foi a partir da interseção de ambos esses conjuntos, o do ser e o do sentido associado então por Lacan ao Outro, que, três seminários depois, ele pode instituir não haver ser sem o Outro, lugar do penso, e que ninguém pode afirmar ser “penso” – cogito, na acepção cartesiana do termo –, sem que algo do ser esteja presente na afirmação, porque o significante afeta o afeto, como escrevia Colette Soler em 2011. Se as paixões são do ser, não podem ser sem o Outro. Impossibilidade que aponta para uma necessária incompletude, teorizada por Freud como castração. Mas é justamente essa impossibilidade – S(Ⱥ) – que a experiência passional colmata, atribuindo ao Outro imaginariamente uma consistência de ser que lhe falta. Emana, portanto, de um movimento contrário ao da angústia, afeto que, como sabemos, surge justamente no momento em que a falta se torna mais presente, de modo que a angústia foi mesmo conceituada por Freud como de castração. Convidamos a todos que queiram apresentar trabalho, que preencham o formulário de inscrição de proposta e anexem a ele uma lauda contendo a ideia que querem desenvolver. Ela deverá versar sobre o tema do Encontro, podendo tanto abordar cada uma das paixões, como a articulação das três com o que Lacan desenvolveu quanto ao ser. Não sem levar em conta a clínica da questão, que, entre outros, pode abordar tanto os efeitos do apaixonamento amoroso na transferência ou como sintoma; o ódio como destino do que Lacan associou ao cacon grego em sua conceituação da agressividade, ou ainda a ignorância, que a leitura de Linsey McGoey associa como estratégia de poder na política do big business. Com efeito, essas três paixões identificadas por Spinoza, são atualmente estratégias que visam destruir a dúvida – novamente cartesiana –, na vertente que Antonio Quinet cunhou de ignoródio, e cabe a nós, psicanalistas, retomar a importância dela em prol de um pensamento não totalitário, de experiências plurais, e do valor da letra (lettre) em detrimento da consistência de o ser (l'être). É nessa direção que também convidamos à leitura do Seminário Mais ainda..., no qual Lacan introduz as bases do que, nos anos subsequentes, chamará de inconsciente real, articulado à inércia da linguagem – lalíngua. Na contramão do Outro-sentido, ou do inconsciente saber, trata-se aqui do Outro que não sabe nada. Se o inconsciente-saber abriu as vias para a interpretação psicanalítica a partir da transferência que é, antes de tudo, amor ao saber, Lacan nos adverte: o ódio é dessuposição de saber. Mas tal dessuposição exige o amor, pois ela se dá na articulação com a suposição. Novamente: não é possível dessupor sem suposição, assim como não é possível dizer-se ser, sem o “penso”, daí o amoródio que, em francês, equivoca com enamoramento, em hainamoration. Por último, o desenvolvimento do tema também cria uma aposta nossa, para o final de análise, sobre a abertura em direção a um novo amor, como escrevia Rimbaud, que se daria já não na vertente da paixão e sim, do entusiasmo. Que este contagie a todos para participarem.

Processo:

  • Processo:

  • Verificar os documentos acima com as informações sobre datas e sistema geral de análise e apresentação de trabalhos.

  • Principais datas:

  • Até 20/08 => recebimento das propostas de trabalho

  • Até 18/09 => recebimento dos trabalhos + vídeos de apoio

Espaço Escola

Espaço Escola 2022

Ao contrário dos outros discursos que surgem nas conveniências e acasos da história, o discurso analítico não teria existido sem a insistência do desejo de Freud. Ele também não teria sobrevivido com sua lâmina cortante não fosse o desejo decidido de Lacan. O discurso analítico, por não atender ao “clamor da humanidade” tende a ser esquecido e está até mesmo fadado a desaparecer caso o analista decline de seu ato. O espaço escola deste ano convida todos que se orientam a essa Escola a se interrogarem, frente às contingências que são as da nossa época, acerca das respostas éticas possíveis para sustentar o desejo do analista na transmissão, na clínica e na pólis.

8:30 – 9h - ABERTURA – Tatiana Assadi (CLEAG)

9:00  às 10:15 - MESA 1: A Escola como resposta ética à formação do analista

10:15 - 11:30 - MESA 2: Passe e desejo do analista: quando o real faz prova

11:30 a 11:45 - intervalo

11:45 - 13:00 - MESA 3: O cartel em tempos cibernéticos: experiência  e transmissão

Espaço Escola

Ao contrário dos outros discursos que surgem nas conveniências e acasos da história, o discurso analítico não teria existido sem a insistência do desejo de Freud. Ele também não teria sobrevivido com sua lâmina cortante não fosse o desejo decidido de Lacan. O discurso analítico, por não atender ao “clamor da humanidade” tende a ser esquecido e está até mesmo fadado a desaparecer caso o analista decline de seu ato. O Espaço Escola deste ano convida todos que se orientam a essa Escola a se interrogarem, frente às contingências que são as da nossa época, acerca das respostas éticas possíveis para sustentar o desejo do analista na transmissão, na clínica e na pólis.

8:30 – 9h - ABERTURA – Tatiana Assadi (CLEAG)

9:00  às 10:15 - MESA 1: A Escola como resposta ética à formação do analista

10:15 - 11:30 - MESA 2: Passe e desejo do analista: quando o real faz prova

11:30 a 11:45 - intervalo

11:45 - 13:00 - MESA 3: O cartel em tempos cibernéticos: experiência  e transmissão

Coordenação Nacional:

Robson Mello

Julie Travassos

Juliana Costa

Secretária da Comissão de Gestão:

Tuanny Duarte

Coomissão organizadora:

Cláudia Leone
Cláudia Valente
Cléa Ballão
Fernanda Histher
Glauco Machado (coordenador)
Nadir Lara Júnior
Robson Mello
Thamy Soavinsky

Prelúdios: 

Glória Sadala

Zilda Machado

Espaço Escola (CLEAG):

Beatriz Almeida
Dominique Fingermann
Lia Silveira

Beatriz Almeida
Maria Vitória Bittencourt
Tatiana Assadi

Lia Silveira

Comissão científica:

Adriana Grosman
Bárbara Guatimosin
Felipe Grillo
Glauco Machado
Ida Freitas
Leila Equi
Sonia Alberti - Coordenadora
Terezinha Saffi

Responsáveis pelas redes da EPFCL-Brasil:

Cinara Santos
Elvina Lessa
Francisco Paiva
Luci Caminha Aiello